Buscar

Agro Hoje: Veja os principais destaques do evento online realizado pela Tribuna Rural e Fape-DF

Idealizado pelo Tribuna Rural e a Federação de Agricultura e Pecuária do Distrito Federal (Fape-DF), aconteceu nesta terça-feira (6) a primeira edição do Agro Hoje, uma série de eventos online sobre temas relevantes para o agronegócio. Nas três palestras o assunto principal debatido entre os palestrantes foi a água e os desafios e perspectivas de seu uso na agricultura, abrangendo as esferas de produção, reservação, conservação, uso e gestão.


O evento traz uma perspectiva das práticas eficientes para condições edafoclimáticas do cerrado, abordando o Programa Produtor de Água da ANA, o premiado case do Projeto Produtor de Água no Pipiripau e a experiência dos comitês de bacias regionais. E ainda questões relacionadas ao uso e gestão de água com a experiência da Embrapa Cerrados em temas de gestão, os desafios da irrigação em áreas de alta produtividade, e as estratégias de gestão agrometeorológicas para reduzir as perdas de produtividade das culturas.



Reservação e uso racional da água


Frederico Cintra falou sobre o avanço da agricultura irrigada no Brasil e como ainda podemos utilizar áreas do país para expandir a área irrigada num grau de priorização. Ele destacou que há diversas áreas no Brasil com potencial para receber a agricultura irrigada e que a expansão tem sido na faixa e 200 mil hectares por ano, frente à faixa de 55 milhões de hectares disponíveis. Dessa forma, Frederico afirma que uma das prioridades é a de potencializar o uso de áreas irrigadas no país.


Durante a palestra, Frederico Cintra abordou um programaidealizado pelo Ministério da Agricultura sobre a expansão da agricultura irrigada no Brasil. No programa, algumas metas foram criadas. Dentre elas, estão: a ampliação da área irrigada do Brasil, em bases ambientalmente sustentáveis, em 1,2 milhões de hectares, em três anos (2021/2023) e instituir uma iniciativa de irrigação com reuso de água para o nordeste brasileiro.


Ainda no primeiro painel, a assessora técnica da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Jordana Girardello, falou sobre prioridades do Setor Produtivo da Agricultura Irrigada. Durante sua fala, ela destacou a necessidade de profissionais da agricultura irrigada compondo a diretoria da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) para que a produção agrícola utilizando a irrigação seja cada vez mais colocada em debate no Brasil.


Cenário e desafios (do uso) da água na agricultura


Mediado pelo engenheiro da Codevasf, Rodrigo Franco, o segundo painel teve como foco o Cenário e desafios (do uso) da água na agricultura. O destaque do painel ficou por conta do pesquisador da Embrapa Lineu Neiva. Ele falou sobre os desafios para a agricultura irrigada.


Lineu trouxe uma apresentação mostrando o crescimento populacional desde os anos 1960 até os dias de hoje e a projeção para até 2050. Paralelo ao crescimento da população, ele destacou que houve também a ampliação na produção de alimentos, com aumento de 146% em 40 anos, para poder igualar ao número de pessoas. A água e o alimento andam juntos, visto que a irrigação é o elo entre os dois.


O pesquisador também trouxe dados sobre a projeção de hectares no Brasil até 2040: cerca de 4,2 milhões de hectares, número bem abaixo do que seria recomendado para um país do tamanho do Brasil.


Apesar do grande potencial de área irrigada, o Brasil ainda está muito aquém da projeção necessária. Sendo assim, o uso correto da água deverá ser ainda mais pensado desde a agricultura familiar até aos grandes produtores. Além de um solo conservado e de medidas previamente pensadas, a gestão correto de recursos hídricos por parte dos irrigantes e do governo federal deve ser sempre priorizada, destaca Lineu Neiva.


“Nós, aqui desse lado, geramos informação acerca do uso da água, mas a forma com que isso vai ser usado também é de responsabilidade da sociedade. Então a sociedade tem que se envolver, tem que participar. E, quando for necessário, definir os usos prioritários da água”, completa Lineu.

Experiências e Inovação


Por fim, o último painel foi moderado pelo Superintendente Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento no DF, Willian Barbosa. O bloco teve como foco a tecnologia usada na produção agrícola brasileira.


O destaque do painel ficou por conta engenheiro agrônomo e CEO do AgroMakers Leandro Fellet Lourenço. Ele trabalha há mais de 20 anos com irrigação e atuou em projetos de agricultura irrigada. Na palestra, Leandro falou sobre a Internet das Plantas, uma tecnologia usada para aprimorar a irrigação nas lavouras. Trazendo dados do Atlas da irrigação, o palestrante falou também sobre o potencial de crescimento de hectares no país.


De acordo com Leandro, quanto maior a área irrigada no país, maior será a produção de alimentos tanto para vender no próprio país quanto para exportação. Uma das tecnologias trazidas pelo Leandro para a palestra foi o Sensor IrriMaker, ele é um sensor de umidade do solo, que envia dados por meio da Internet das Coisas. No equipamento há uma inteligência artificial com algoritmo que traduz a necessidade da planta e, com isso, aciona o sistema autônomo de irrigação para trazer água no volume correto.


Finalizando a palestra, Leandro Fellet, destaca que a tecnologia, usada de maneira correta, trará apenas benefícios ao produtor rural. Ainda que não utilizada em todas as lavouras, a tecnologia traz inovação e acaba reduzindo alguns processos manuais aos irrigantes. Com a redução dos processos, há o aumento da produção e menor dinheiro investido mesmo com a qualidade em alta.

16 visualizações0 comentário

Cadastre-se
e receba sem seu e-mail as principais notícias do agronegócio e da Irrigo

© 2020 - Desenvolvido por Completta Consultoria